Saúde Intestinal

por Nutricionista Camila Oliveira

A pele vive

por Dra. Flavia Cipriani

Esporte e qualidade de vida

por Dr. Dimas Democh

Saúde Intestinal

Não tem como falar de saúde sem avaliar o estado em que se encontra a nossa flora intestinal, que também é conhecida como microbiota. É composta por várias espécies de micro-organismos, que são responsáveis por diversas funções, incluindo a digestão dos alimentos e a absorção dos nutrientes.Uma flora intestinal saudável está diretamente relacionada com um bom estado de saúde. E seu desequilíbrio está associado a várias doenças.

Nosso corpo está colonizado por uma infinidade de microorganismos, cujo número supera em aproximadamente 10x o número de nossas próprias células, ou seja, 100 trilhões de criaturas habitam dentro de nós. Essas bactérias que vivem dentro do nosso organismo são chamadas de “microbioma”, e representam a nossa flora intestinal. A boa notícia é que a maioria das bactérias vive em simbiose com o nosso organismo (relação mutuamente vantajosa entre dois ou mais organismos vivos de espécies diferentes).

Mas nos dias de hoje, infelizmente, a maioria das pessoas convive com um número muito maior de bactérias patogênicas (ruins) que habitam dentro de si do que as bactérias benéficas.

Cada espécie microbiana conta com seu próprio DNA, e por isso somos capazes de interagir com o material genético de nossa flora intestinal, de forma favorável ou não. Os órgãos intestinais tomam parte numa grande variedade de ações fisiológicas, entre elas, o funcionamento do sistema imunológico, a desintoxicação, a inflamação, a produção de neurotransmissores e de vitaminas, a absorção de nutrientes, a sensação de fome ou saciedade, o aproveitamento de gorduras e carboidratos, o ganho de peso e o metabolismo energético. Todos esses processos têm relação com nosso estado físico, emocional, vigor e disposição. Ao risco de processos alérgicos, asma, câncer, diabetes, doenças autoimunes e doenças como Alzheimer.

E o dado mais surpreendente é que você pode evitar todas essas doenças e controlar seu metabolismo, simplesmente nutrindo seu microbioma.

E como nutrir seu microbioma?

Um elevado número de produtos alimentares tem sido desenvolvido para modificar a microflora intestinal e possibilitar benefícios para a saúde intestinal. São os chamados probióticos e prebióticos.

Probióticos

São os microorganismos presente na nossa flora intestinal normal, com a função de auxiliar o funcionamento do intestino e nos proteger de bactérias que possam vir a nos fazer mal.

Hoje em dia em laboratórios farmacêuticos é possível fazer cepas específicas de acordo com os sintomas e objetivos dos pacientes.Cepas específicas de lactobacillus que atuam no emagrecimento, no fortalecimento do sistema imune, diminuição de quadros de enxaqueca, melhora do perfil lipídico, controle da glicemia, aumento da absorção de vitamina e minerais, como cálcio, ferro, zinco e magnésio, regular o trânsito intestinal e nos proteger de possíveis infecções, dentre outros.

 

Prebióticos

Os prebióticos são fibras não digeríveis, mas que fermentam em nosso intestino e estimulam o crescimento das bactérias probióticas.

Sempre digo aos meus pacientes que é necessário colonizar o nosso intestino com probióticos e manter essa colônia saudável com prebióticos.Elas auxiliam na proliferação das bactérias boas, ajuda regular o trânsito intestinal e nos proteger de possíveis infecções e aumento na absorção de vitamina e minerais.

As fibras prebióticas mais comuns são:

- a inulina, encontrada no almeirão, chicória, trigo, cebola, alho e alho poró;

- a pectina, encontrada em frutas cítricas, maças, cenoura, farelo de aveia, soja, lentilha e ervilha;

- e os chamados Frutooligossácarideos (FOS). Estes só podem ser encontrados em quantidades significativas se manipulados.

Hoje venho falar de uma fibra nova que tenho trabalhado e  tido resultados promissores, e por isso quero compartilhar com vocês!

É o FIBREX, fibra dietética natural obtida através da beterraba açucareira. Tem efeito probiótico, decorrente do aumento da massa bacteriana, nutre as bactérias boas e promove a regularidade do trânsito intestinal.

Isso porque o Fibrex é uma fibra não lignificada, que permite maior absorção de água, promovendo plenitude gástrica e sensação de saciedade, além disso, a composição dela é bem interessante, pois tem 24% de fibras solúveis, advindas da Pectina e 49% de Fibras insolúveis.

Dessa forma é muito interessante seu uso por diabéticos, pois suas fibras ajudam a controlar e a reduzir picos de glicemia e insulina na corrente sanguínea. Pessoas com colesterol alto pois suas fibras também melhoram o perfil lipídico, diminuindo as taxas de triglicérides e colesterol sanguíneo .

Além de promover saciedade, ela aumenta o volume fecal, sendo recomendadas para aquelas pessoas que sofrem de constipação ou apresentam dificuldade para evacuar.

Outro ponto importante é que o FIBREX não contém ácido fítico, portanto, não interfere na absorção de ferro e zinco como outros farelos.

Recomendo o uso de 10g no café da manhã para promover saciedade e melhorar as taxas de glicemia e colesterol ou na ceia para aquelas pessoas que sofrem de constipação.

Você pode adicionar o FIBREX em qualquer receita, seja sopa, iogurtes, mingau vitaminas, bolos funcionais ou até mesmo em cima da salada.

Nutricionista Camila Oliveira

Nutricionista Especialista em Nutrição Esportiva de Alta Performance e Clínica Funcional Especializada em Nutrição Funcional - VP (Uberlândia - MG) Docente de Pós Graduação do Instituto Máximo Patos de Minas no curso de Nutrição Clínica, Esportiva em Estética - 2015 Palestrantes em diversos cursos ministrados no Brasil